O Projeto REDES é uma iniciativa da SENAD-MJ em parceria com a área técnica de saúde mental do Ministério da Saúde e com o Ministério do Desenvolvimento Social que visa promover a aproximação entre as políticas de saúde, prevenção, segurança, proteção e inclusão social.

 

A professora Tânia Maris Grigolo, doutora em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e especialista em Saúde Mental Coletiva pela Universidade de Santa Maria (UFSM), é interlocutora do projeto e nos conta um pouco sobre ele.

“O Projeto iniciou em 2014 em 20 municípios, com uma metodologia problematizadora das realidades locais e de apoio técnico, oferecendo um articulador de rede intersetorial para cada município participante.

O objetivo é desenvolver metodologias de integração entre as políticas públicas dos municípios, através da constituição de fóruns de gestão compartilhada, de canais de diálogo, de lugares de encontro, entre os profissionais das diversas redes, para que debatam e avaliem permanentemente as formas de prevenção, promoção e cuidado à saúde, de inclusão e de exercício da cidadania das pessoas com problemas relacionados às drogas.

Dessa forma, o REDES tem promovido e fortalecido, com a mediação do articulador, lugares de encontro das redes intersetoriais, conseguindo fortalecer os atores locais, gestores e profissionais, que, juntos, conseguem enfrentar com maior resolutividade os obstáculos que enfrentam para a criação, qualificação e funcionamento das Redes de Cuidado e promoção de vida.

Além disso, em 2016 o REDES ampliará seu apoio de articulação intersetorial para mais 30 municípios e já está colhendo os frutos de um trabalho desafiador! Afinal, precisamos desenvolver tecnologias de cuidado em rede, pois todos estão aprendendo a atuar de forma integrada. A grande maioria dos municípios já possui muitos serviços, pontos de atenção, unidades de atendimento, mas ainda faz seu trabalho de forma isolada intra e intersetorialmente e de forma fragmentada. Os resultados demonstram que investir na qualificação e articulação dos trabalhadores e dos serviços quebra resistências e abre as portas do cuidado às pessoas que fazem uso problemáticos de drogas.

O projeto REDES também construiu, com os municípios participantes em 2015, uma ação específica para a população mais vulnerável ao uso de álcool e outras drogas: a população em situação de rua. O Projeto de Inserção vai apoiar a inclusão socioeconômica, o cuidado e a emancipação das pessoas mais expostas aos riscos psicossociais nos municípios que fazem parte do REDES.

Os Conselhos da Sociedade Civil têm também um papel muito importante para a integração das redes e nesse projeto, pois a participação da comunidade, de atores sociais que propõem e fiscalizam as ações governamentais, permite o surgimento de agentes de mudanças. Os Conselhos Municipais de Políticas sobre Drogas, por exemplo, estão se reestruturando em muitos municípios e estados,  adquirindo uma composição ampliada e democratizada. É um desafio que os conselhos incluam os usuários e familiares e passem a atuar como agentes de defesa dos seus direitos às melhores formas de prevenção, de cuidado e à cidadania de todos.

56 thoughts on “PROJETO REDES: promovendo a integração intersetorial

  1. Interessante o projeto REDES, pois ele é bem abrangente no tema drogas. Muito interessante também que haja a participação de órgãos tanto como do governo como também de empresas particulares. Não podemos esquecer que o álcool também é uma droga e é a mais consumida e de fácil acesso para conseguir, como exemplo, nos seus próprios lares. Existem casos que a própria família embriaga a criança, com objetivo de achar engraçado e nem tem consciência que podem estar viciando um inocente que confia nos seus pais, por isso obedecem e bebem.

  2. Existe uma preocupação do Poder Público com as questões das drogas através do projeto de estudo .Eu acredito que ao longo do curso aprendemos formas de prevenção e cuidados com a saúde e que o usuário de drogas é uma pessoa doente e que a sociedade deve ajuda-lo a superar e não descrimina-los.

  3. Realmente saber desses projetos facilita e muito a prevenção, mas precisamos saber os lugares onde estão sendo feitos esses trabalhos e a sociedade de uma maneira em geral precisa ter mais orientação sobre esses programas, acredito que a escola seja um exelente meio de divulgação e trabalho, mas não podemos esquecer que pessoas que ja sairam da escola, ou melhor dizendo que já se formaram, acabam também sendo envolvidos pelas drogas e precisam ter mais facilidade e acesso no atendimento.

  4. Quanto mais programas e projetos e pessoas envolvidas e empenhadas articulando ações de promoção e cuidados à saúde, inclusão e de exercício da cidadania das pessoas, principalmente das crianças e adolescentes, maior será a qualidade de vida e superação e enfrentamento de problemas sociais.

  5. Os projetos de redes do governo, proporcionam auxilio aos usuários do sistema para diminuir os índices de criminalidade nas cidades brasileiras.

  6. Muito interessante o Projeto REDES de iniciativa da SENAD-MJ em parceria com a área técnica de saúde mental do Ministério da Saúde e com o Ministério do Desenvolvimento Social visando promover a aproximação entre as políticas de saúde, prevenção, segurança, proteção e inclusão social.

  7. A construção de uma rede que atenda de uma forma articulada com uma equipe bem preparada, trabalhando com a prevenção, agindo e combatendo os efeitos devastadores que as substâncias produzem na vidas dos usuários de drogas. Lamento que o projeto se limita a alguns Estados e Municípios, não se estendendo a todos.

    • Milta, observo que existem muitos projetos e campanhas ótimas, que combatem as drogas, mas eles não são aplicados, não são colocados em prática em todo território nacional, e isso não é bom, pois o combate as drogas deveria ser em todo país.

  8. Achei muito interessante o Projeto REDES de iniciativa da SENAD-MJ em parceria com a área técnica de saúde mental do Ministério da Saúde e com o Ministério do Desenvolvimento Social visando promover a aproximação entre as políticas de saúde, prevenção, segurança, proteção e inclusão social.
    Parabéns à professora Tânia por essa tomada de decisão de desenvolver projetos com metodologias de integração entre as políticas públicas dos municípios, por meio da constituição de fóruns de gestão compartilhada, de canais de diálogo, de lugares de encontro, entre os profissionais das diversas redes, para debaterem e avaliarem as formas de prevenção, promoção e cuidado à saúde, de inclusão e de exercício da cidadania das pessoas com problemas relacionados às drogas. E que ainda ampliará seu apoio de articulação intersetorial para mais 30 municípios. Esses projetos nos mostram que está se fazendo alguma coisa para ajudar as pessoas viciadas em drogas.

  9. Entretanto nos agentes comunitários de saúde tivemos capacitações sobre essa questão. com o tema caminhos do cuidado onde a partir destas perspectivas podemos associar-se as nossas realidades do nosso município, onde ambas será sempre pensar em ações como fundamental a valorização das possibilidades dos sujeitos para os quais o diálogo como principal forma de conscientização para transformação do sujeito.

  10. Realmente as redes sociais precisam serem mais trabalhadas no sentido de informações sobre a Redução de Danos, pois muitos desconhecem esse assunto. É uma pena que em meu Município não tenha o Conselho Ante drogas, pois o sentido que se refere ao Poder Legislativo de nossa cidade, estar diretamente direcionado somente em deixar acontecer as coisas e que cada um der seu jeito de contornar a situação dos usuários de drogas que a cada dia aumentam cada dia mais e as mortes tambem.

    • Existe uma preocupação do Poder Público com as questões das drogas através do projeto de estudo .Eu acredito que ao longo do curso aprendemos formas de prevenção e cuidados com a saúde e que o usuário de drogas é uma pessoa doente e que a sociedade deve ajuda-lo a superar e não descrimina-los.

    • Concordo que as redes sociais podem serem mais trabalhadas e divulgados , pois muitas pessoas desconhecem esse assunto e onde procurar ajuda .

    • Hely, concordo que o número de dependentes está aumentando cada vez mais e as ações que combatem as drogas não conseguem acompanhar esse crescimento, pois é muito maior.

  11. O trabalho de redes é fundamental para criar grupos de pessoas conectadas em torno de um objetivo comum, que possam ajudar outras a superarem as dificuldades relacionadas ao uso de álcool e outras drogas. Tal como é dito no texto, existem iniciativas individuais, mas nem sempre elas estão articuladas numa ação conjunta. Acredito seria necessário que as pessoas responsáveis pela gestão dos serviços tivessem esse interesse, porque elas têm um poder mobilizador que precisa ser utilizado para a criação de estratégias que possam ajudar a melhorar a atenção aos usuários e dependentes. O que acontece no setor público é que os trabalhadores ficam focados em suas funções básicas determinadas pelos cargos e também há uma exigência grande para o trato burocrático com a documentação: cadastro, anotações, produção e envio de relatórios, etc. Então, as pessoas comentam e conversam entre si sobre as questões relacionadas ao tema, mas tudo acontece de modo informal. Por isso, as sugestões e os procedimentos não são adotados de modo sistemático. A criação de grupos para participarem de um fórum permanente poderia dar força às pessoas durante as discussões, em termos de contribuições para as políticas públicas, porque dali poderia sair um documento de grupo para os gestores. Há muitas pessoas pensando nas questões, mas há dificuldade para elas se organizarem para propor alternativas ou para divulgar as que já existem para que possam ser reconhecidas e adotadas por outros grupos.

    • Os projetos de redes são fundamentais para a prevenção e cuidados com a saúde das pessoas com problemas relacionados às drogas.

  12. trabalho em uma comunidade em que sou assistente social no cras, o índice de dependência química entre os adolescentes esta crescendo muito,comecei a fazer um trabalho com alguns que faz parte do grupo de convivência do cras com conversas sobre o assunto,mostrei um vídeo mentes escuras e debatemos sobre o assunto , e já começou a ter resultados , onde teve, adolescentes, que conetou que já ofereceram para eles e não aceitaram a droga, espero que eu esteja plantando uma cemente, já que a policia não esta fazendo nada e o concelho tutelar me disse que não e com eles.

  13. Com certeza o REDES vai poder ajudar muitas pessoas que estão envolvidos com as drogas. E vai mostrar o quanto as pessoa são importantes, para que elas se sintam útil e abandone de vez, esse vício.

  14. Como o próprio nome sugere e muito importante ,bem como fundamental fortalecer e trabalhar as redes, pois assim trabalhamos juntos no mesmo objetivo.

  15. Acredito que é fundamental para o fortalecimento da rede, esse encontro de profissionais para a troca de experiências e debater resultados.

  16. Projeto bastante interessante, uma vez que o foco é o trabalho em Rede na perspectiva de encontrar soluçoes de forma singular para uma problemática que envolve o contexto social, econômico, pessoal, cultural e ate mesmo historico.

  17. No momento esta muito fácil conseguir drogas, numa sociedade consumista e individualista, nada melhor do que trabalhar sempre na prevenção, estar sempre orientando e fornecendo informações para que pessoas posam compreender que as drogas levam ao caminho sem volta, mais não podemos mascarar as informações, temos que ser muito claro do que a droga é capaz de fazer com o ser humano.

    • Luiz, concordo quando diz que as drogas estão muito acessíveis, pois existe até pontos de venda em lugares públicos. Penso que as famílias também precisam ser trabalhados na questão drogas. pois quase sempre elas não se envolvem como deveriam, nos problemas de sua família.

  18. O Projeto REDE é de grande valia na prevenção contra o uso que faz uso psicoativo de entorpecentes ad redes indo de encontro para fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários. Onde é muito importante o envolvimento de todos no aprimoramento dessa politica antidroga, É importante a criação do colegiado em cada município brasileiro. Inclusive está sendo criado o conselho da politica contra as drogas,. Estou contente, pois, vou poder contribuir muito com os conhecimentos sobre drogas…

    • O projeto de Redes que o governo oferece dá assistência às pessoas que necessitam de apoio social e psicológico, permitindo melhorar os índices de envolvimento com as drogas e diminuindo a criminalidade no país e outros problemas que temos por aí. Quanto mais ações e envolvimento mais eficiente será a superação das dificuldades.

  19. Trabalhar a prevenção na comunidade é o passo mais importante pois na medida em que os encontros dos integrantes da rede se tornam freqüentes e regulares, constroem-se os vínculos permitindo assim o surgimento de iniciativas individuais, criando novas formas de organização, ajudando as pessoas na troca de suas experiências e oferecendo soluções.

  20. Com certeza a participação de todos com o intuito de promover programas de inclusão social voltados para pessoas e familias com problemas relacionados com drogas é um bom caminho.A complexidade da droga e muito grande por isso é preciso essa interação.Os programas de prevenção também são importantes. Uma prevenção educativa.

  21. Com esse avanço dos serviços publico nos municípios com empenho de todos os gestores e secretárias e apoio ao serviço vamos com muito lutar conseguir bons resultados.

  22. Projeto REDES.
    É relevante para a população que vive em situação de risco.
    Quando é feito um trabalho voltado a essa população, com mapeamento para conhecimento do território , os profissionais empenhados na causa trocam experiência para enriquecimento do trabalho desenvolvido nessa área.
    O ponto de Redes criado tem que ser coerente com a realidade territorial, é um trabalho feito de acordo com a necessidade demandada na localidade.

  23. Gostei muito de saber que o projeto REDES está funcionando é essencial para os municípios, que a prevenção tem que está presente para que possamos ajudar os usuarios a ter uma escolha de vida.

  24. A prevenção e sem sombra de duvidas o melhor caminho, lembrando que prevenção não e banir a possibilidade do uso de
    drogas, mas e considerar como serie de fatores para favorecer que o individuo tenha condições de fazer escolhas.

  25. Eu sinto falta de posiçoes mais firme dos gestores, o Governo Federal por sua vez manda o dinheiro mas não fiscaliza
    assim fica difícil para o funcionamento dos Programas, fico observando no Serviço Publico é muita falta de interesse das pessoas
    no seus postos de trabalho não se preocupa em repassar as informações corretamente, em fim é um conjunto de situações que precisa ser revista por ambos os pares Governo Federal e Gestores em seus Estados.

  26. Eu acredito muito nos projetos desenvolvidos pela comunidade, pelos professores, pelos governantes e a família, pois a cada atividade desenvolvida o usuário se sente fortalecido e consegue perceber o quanto ele é querido conseguido recuperar parte a alto estima perdida com o uso de drogas e a descriminalização.

  27. Realmente os descaso são de mais , principalmente nas cidades que gestores não se preocupa com a prevenção. Onde eles poderiam criar um vínculos na parceria com as secretarias, e outras entidades intersetorial, visando um trabalho de conscientização e prevenção de qualidade ou melhorias.

  28. A importância maior do REDES é a abrangência psicossocial do indivíduo. Além de sua atuais ações a atuação de preventiva deveria ser implementada, começando pelo Ensino Básico e familiar, de maneira acessível e de fácil compreensão atingindo seu público alvo de maneira efetiva.

  29. Concordo plenamente com a Ana Lúcia Silveira Says. A melhor prevenção é com os jovens, na mais tenra idade e não há melhor local para esse trabalho como às escolas.
    Defendo que seja lecionado nas escolas as matérias alcoolismo, tabagismo, drogas medicamentosas e drogas ilícitas, com matérias específicas, nada de arrumação, como é normal no Brasil, que esse professores sejam graduados nesta área e passem a lecionar as matérias nas escolas de Ensino Fundamenta, com material pedagógico de acordo com a faixa etária dos alunos. Enquanto isto acontece, eis que a formação de professores não se faz de um dia para outro, os projetos continuam atuando nas escolas, não devemos esquecer que nos meio dos docentes existem problemas de alcoolismo, tabagismo, drogas medicamentosas e drogas ilícitas, que sejam desenvolvido trabalhados específicos com esse profissionais da educação, para que eles, além de desenvolverem uma consciência sobre o assunto que se torna cada vez mais grave, se beneficiem e sejam semeadores e se empenhem na conscientização da problematização do uso e abuso das drogas. Sei que não será fácil dirigir esses trabalhos aos docentes, falo isto por já ter acontecido comigo, pois, como membro de Alcoólicos Anônimos, esta é uma prática comum, falarmos para jovens estudantes, e, uma certa feita, procurei fazer um trabalho iniciando com o corpo docente de um colégio estadual, na intenção de desenvolver uma consciência entre os profissionais para que eles se engajassem nesse trabalho de conscientização sobre a gravidade do assunto entre os jovens estudantes, acertamos que seriam desenvolvidas palestras para os alunos na semana seguinte a reunião com os professores. Para minha surpresa e tristeza, não houve a continuação das palestras, esto tem mais de cinco anos. Pasmem vocês!

  30. O projeto REDES tem promovido, e fortalecido o trabalho no combate ao uso de drogas, quanto mais municípios estiverem engajados neste projeto maior sera a chance de recuperar um numero maior de usuários. A prevenção é o melhor caminho para o controle dos danos que a droga causa no ser humano.

  31. Essencial para os municípios, pois além de abranger a sociedade como um todo, traz a responsabilidade de cada setor governamental, fazendo com isso um trabalho eficaz ampliado e não apenas paliativo. Há uma continuidade.

  32. Sim, as Redes existem, mas o que me entristece é o descaso de alguns gestores que não dão tanta importância para o assunto prevenção. Acredito também que assunto drogas, ou qualquer outra substancia que crie dependência, deveria ser assunto para a Educação no Ensino Fundamental, assim como Gravidez precoce. Ainda existe muito preconceito e pais só se dão conta quando acontece com os próprios filhos e num estágio bem tardio. O maior problema é o preconceito, todos só veêm como Drogados mas, não tem o cuidado de quando tudo começa, o controle quando há as mudanças no comportamento, os presentes que aparecem do nada, os horários que preferem somente a noite e tantos outros sinais, e o professor tem como perceber, não somente pela evasão escolar e comunicação através de Ficai ou para o Ministério Público, temos é que começar pelas bases, orientações que fortaleçam o não pelo vicio, através da mídia que mostra tudo menos coibir. Programas que numa linguagem infantil retratem o drama de iniciar nas drogas, talvez de resultados.

  33. A questão do uso de drogas é mais complicada do que nós imaginamos. Apesar das entidades governamentais estarem a disposição dos dependentes, ainda assim, sabemos que muitas pessoas estão sofrendo desse mal nas ruas e certamente, suas famílias também sofrem por não poderem ajudá-las.

  34. Diante da problemática existente em virtude do uso de Drogas, penso que o Projeto REDES é de fundamental importância na realização de um trabalho eficaz, onde venha ajudar e apoiar o fortalecimento deste trabalho para ser mais efetivo no cuidado das famílias e pessoas que tem problemas com uso drogas e na prevenção, principalmente para as crianças e adolescentes.

  35. Excelente Projeto Redes, abrange na totalidade a prevenção, promoção e cuidado à saúde, de inclusão e de exercício da cidadania das pessoas com problemas relacionados às drogas.

  36. Acredito, que o Projeto REDES é fundamental e muito importante para a realização de um trabalho eficaz, fortalecer este trabalho para ser mais efetivo no cuidado das pessoas que tem problemas com drogas e na prevenção, principalmente de crianças e adolescentes.

  37. vejo esta iniciativa como um avanço para a sociedade, pois com a ampliação do projeto de redes o governo estará estruturando as famílias participantes , proporcionando uma viada melhor para o usuário do sistema, e a tendencia é diminuir o índice de criminalidade, assaltos e outros problemas que o pais enfrenta.

  38. gostaria de saber se o município de JOINVILLE, esta entre os município escolhido. Sei que muitas coisas boas esta sendo feita, isso me deixa feliz porque é triste vê tantos jovens morrendo vitima de uma praga que vai se alastrando cada vez mais. Estou me esforçando cada vez mais para fazer algo para ajudar, muitas vezes a gente não tem o que fazer por falta verbas. Essa rede nos proporciona a ter mais chance de ter frutos melhores no nosso trabalho.

  39. Também estou muito feliz, em fazer parte dessa luta contra as drogas. Estou me preparando mais para poder ajudar os usuários de drogas, aprender mais pra poder ensinar. Entrei neste curso, porque também tenho um ex, posso dizer ex, porque não aceito essa palavra usuário de drogas, na minha família. eu tenho sofrido muito por isso. Não desejo esse sofrimento pra ninguém, hoje, me tornei aconselhadora pra usuário e familiares, na minha igreja.

  40. 1. São de grande valor estes projetos realizados destas pessoas participantes de cursos. Nós precisamos sair de nossa zona de conforto e realizar algo em favor da vida de nossos irmãos e irmãs. Eu neste ano e no ano anterior fui por diversas vezes trabalhar com os professores(as) e alunos de uma escola estadual de Lagoa Vermelha,RS, para que a escola possa assumir a metodologia da Justiça Restaurativa que leva as pessoas, educadores e pais, a trabalharem com seus filhos e alunos de forma a tratar as pessoas como seres humanos que merecem todo respeito, pois são criados a imagem e semelhança de Deus. Saber separar o erro (ações) da pessoa. Ninguém pode julgar as pessoas, porque não sabemos o porquê chegam a entrar no caminho da droga ou álcool. Nesta metodologia é usado o diálogo franco e aberto, com muito respeito, a fim de poder integrar novamente a pessoa que erra, numa vida social digna da pessoa humana. Vejo que nós pessoas conscientes precisamos tomar novas atitudes e ir ao encontro destes jovens adolescentes, a fim de ajuda-los a não entrarem neste caminho da destruição.. Em outubro de 2015 organizei um grupo para participarem da Justiça restaurativa de 6 a 10, num total de 40 horas, onde participaram , além de outras pessoas, 9 dependentes, um monitor e outras 5 pessoas voluntárias que trabalham na comunidade Terapêutica São José, na qual estamos trabalhando com a metodologia da Justiça Restaurativa. Desejo que este mundo, com nossa presença, possamos fazer a diferença, sendo protagonistas da história, transformando este mundo em mai
    2.
    Anônimo22/04/15 16:05
    PARABÉNS!!! Riquíssimo trabalho,este projeto pode contribuir para o país inteiro,estou fazendo o curso de prevenção as drogas,e estou sempre pesquisando sobre o tema,de repente me deparo com este valioso projeto,espero que vocês mantenham liberado na NET,pois pode ter certeza que estarão ajudando aos brasileiros que se preocupam com a sociedade,vivem estudando para encontrar caminhos para ajudar,parentes,amigos,familiares etc..Muito bom que sirva de exemplo para todas as autoridades também.

    PROJETO PARA PREVENÇÃO DE DROGA
    Nome do Projeto: AMAR-SE É DIZER NÃO ÀS DROGAS

    I. LOCAL DO PROJETO: Escola Estadual João Evangelista Saraiva
    Constatação da Realidade da Escola
    * Primeiramente foi feito na escola um levantamento da realidade do uso das drogas, através das atitudes demonstradas e pelas fichas de acompanhamento dos alunos referentes ao progresso na aprendizagem. A seguir foi trabalhado com os professores através de reuniões sobre Justiça Restaurativa que adota a Metodologia da Restauração da pessoa, usando o diálogo. Esta metodologia envolve o ser humano a pensar, refletir e encontrar saídas para a solução de seus problemas, a fim de integrá-lo novamente na sociedade.
    Foi realizado, juntamente com as pessoas que constituem a Equipe do Conselho Municipal de Saúde, um bate papo na Rádio Cacique de Lagoa Vermelha, RS, sobre o problema de saúde, envolvendo a realidade das drogas e a necessidade de termos os pais como educadores de verdade. Foi feito num horário bem ouvido pelo povo. Também
    Nas turmas finais do Ensino Fundamental foi realizado um trabalho onde cada um pode expressar seus sentimentos, foi refletido sobre as consequências que causam as drogas na pessoa, na família e na sociedade. Foi lançada a pergunta:
    Você quer ser feliz e ter saúde? A resposta de todos foi sim. Então a partir disto fizemos dois caminhos: O que leva ao caminho do bem e o que leva ao caminho do mal. Isto em mutirão. Então qual é o caminho que eu quero seguir? Cada um traçou seu próprio caminho. Estas questões foram solicitadas que chegassem até a família a fim de envolvê-los também nesta realidade.
    Também foram trabalhadas em conjunto quais as consequências que causam na sociedade. A partir disto surgiu a ideia de começar no próximo ano, um trabalho com alunos das séries iniciais, os pais dos respectivos alunos e com os professores da escola, em grupos separados, a fim de iniciar um trabalho de prevenção das drogas. Uma das causas do envolvimento das drogas é a desestruturação de nossas famílias. Poucas têm a autoridade de educar seus filhos, pois para educar é necessário realizar o que se deseja e quem não vive o que prega não chega a se realizar em quem levamos nossa palavra. Após realizar este trabalho nesta Escola, esperamos levar a outras escolas do Município.
    Tenho uma professora desta escola que mora comigo e vamos trabalhar juntas: ela como professora efetiva e eu como voluntária, assim como sou voluntária com aproximadamente 30 horas semanais na Comunidade Terapêutica São José de Lagoa Vermelha.

  41. olá amigos, achei maravilhoso ainda ontem falava a respeito da dificuldade que ainda temos sobre trabalho Multiprofissional e Multissetorial, e ainda de como somos falhos no que tange a reinserção do nosso paciente que está interno em hospital psiquiátrico e que tem na sua frente o maior dos desafios, ftraçar um plano de recuperação, compor caminhos para sua caminhada pós internação, nossa REDE é muito falha nesse sentido, pois há muitos pacientes que não têm perfil para CAPS AD e não sendo os CAPS o que mais teríamos? Bom fico feliz por esse tema estar abordado aqui e espero que minha Cidade possa fazer parte, sou de Pelotas Rio Grande do Sul e gostaria de saber mais sobre o projeto, ano que vem estarei assumindo uma cadeira no Conselho Tutelar e gostaria muito de trabalhar em REDE de forma efetiva e com maiores índices de resultados. Forte Abraço

  42. Bom dia!

    Do pouco que sei de políticas públicas, tenho informações de que o governo de modo geral, Federal, Estadual e Municipal, têm interesse como também possuem verbas para investirem em projetos sociais visando o bem-estar das famílias e consequentemente da sociedade.
    Percebemos que, a falta de informação e interesse das pessoas para se disporem a fazer a sua parte como membros da sociedade, é o que há de mais agravante. Isso dificulta um trabalho de recuperação de tantas comunidades que vivem imergidas em inúmeros casos de pessoas envolvidas com drogas. Considero uma das grandes problemáticas do nosso País, os indivíduos se fecham para o mundo do outro como se esse não afetasse de forma tão direta nos problemas do todo. precisamos entender que somos membros de um corpo enorme e complexo, e que temos o dever de nos preocuparmos com a saúde deste corpo.
    Portanto, não basta apenas a força e poder dos recursos governamentais, nem também de um pequeno número de pessoas interessadas em reconstruir comunidades mais sadias e pacificadoras, é necessário que todos se envolvam nessa batalha que não é particular de alguns, mas de todos que se dizem pessoas humanas vivendo numa imensa sociedade.
    Um certo pensador diz o seguinte: “Se tivermos famílias educadas e bem estruturadas, teremos bons alunos nas escolas, bons profissionais nas instituições e mercados de trabalho e pessoas fiéis em suas comunidades religiosas”.

  43. É muito bom sermos instrumentos de ajuda ás pessoas que necessitam de ajuda principalmente para continuar vivendo em meio a tantas turbulência das ruas. Existe, sim, um grupo enorme de pessoas em todas as cidades do nosso Brasil cuidando das pessoas mais necessitadas, precisamos cuidar delas também para que poça recuperar sempre as forças e seguir em frente. As redes de ajuda são importantes porque vão descobrindo novos talentos e colocando-os em ação para o bem, fazendo com a cidadania aconteça.

  44. Eu vejo que a politica anti drogas tem que esta dentro de todos os municipios e que os governos não devem esta capacitando e trasendo sempre para as discussões o problema das dragas, no Rio de Janeiro seja na capital ou nas periferias é cumum ver pessoas dentro dos ônibus falando sobre as drogas e que são voluntarias de Ongs e que afirmam não ter vinculo com os governos e por isto não recebem nada do governo para fazer aquele trabalho, e eles indicam casa de repouso, dias de reuniões para falar dos problemas das drogas entre outros, porém o problema não é de uma só pessoa e parte das pessoas estão tentendo ajudar como pode, por isto acredito se deva ter mas divulgação e programas voltados ao uso de drogas, e não pode ser o médico vem hoje a psicologa amanhã ou semana que vem, os trabalhos da equipe tem que ser entrelaçado, não pode ter buraco, é tão difícil convencer que o usuário que ele precisa de ajuda.

  45. Olá boa noite companheiro Constantino Salles!
    É bom saber que você entendeu que o governo em toda esfera pública tem uma preocupação com a causa da dependência química, só que esta, como diz você é realmente uma praga, mas que pode ser vencida, pelo menos controlada, lembrando bem que na união de todas as redes sociais, já é visto por muitos que até então não tinha conhecimento de causa, e que hoje já entende e se propõe em participar dos cursos ofertados pelo o (SENAD), pelas a Universidade Federal de Santa Catarina, e os projetos de redes dos outros estados, na capacitação para um tabalho voluntário por meio da sociedade envolvida e o poder público em favor dos cidadãos.´
    É muito legal, e juntos podemos mais.

  46. Eu tinha uma impressão falsa a respeito do governo, pois achava que o mesmo não estava fazendo o necessário para ajudar essa população que se encontra em situação de rua, ou em uso sistemático de substâncias psicoativas. Mas vejo com alegria que felizmente estava equivocado. Existe um bom número de pessoas envolvidas no cuidado e na atenção com as pessoas que caíram vítimas do uso de substâncias psicoativas. Pensava que em outros Estados não estava acontecendo nada entretanto para minha satisfação a sociedade tem se organizado para dar combate não repressivamente às vítimas desta praga, mas ara ajudar e acolher, não olhando o dependente químico como um criminoso. Este é o primeiro passo para podermos nos aproximas destas vítimas e começar um processo de ajuda a fim de recuperá-las da dependência química. Estou muito feliz por poder participar do que está acontecendo com esta clientela que corre sério risco de morte diariamente. Parabéns a todas as equipes que tem se esmerado em atender essa população em situação de risco, em situação de rua, tendo mudado até os adjetivos para fazer referência a estas pessoas levando até elas cidadania que é a coisa mais importante que o Estado pode prover aos seus cidadãos.

Deixe uma resposta para iolita rodrigues Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>